Empresas acreditam que reciclagem estimulará logística reversa

RIO – A exigência de planos de reciclagem pelo governo abrirá um nicho de negócios, ainda embrionário no país, e diversificará as receitas das companhias logísticas. A afirmação é da diretora comercial da JSL, Irecê Andrade, que vê na “logística reversa” – a responsabilidade compartilhada entre fabricante, importador, comerciante e consumidor final pelo tratamento dos produtos descartados – uma forma de operação estratégica para o futuro do setor.
“Não vejo nenhuma possibilidade de [a logística reversa] não ser uma obrigatoriedade”, disse Irecê.

O diretor executivo da Wilson, Sons Logística, Thomas Rittscher, ressalta que a empresa já atua com logística reversa e tem entre seus clientes o laboratório Merck.

“Vemos a pressão do governo em cima da indústria pela logística reversa. Não há dúvidas de que essa pressão vai aumentar”, avaliou Rittscher. “Fazemos a distribuição de medicamentos, que têm prazo de validade, no Brasil inteiro. Temos uma gestão de devolução de medicamento, então tem uma parte de logística reversa embutida dentro desse processo”, disse o diretor, admitindo que a logística reversa, atualmente, não faz parte dos planos de especialização da empresa.

Segundo a diretora da JSL, a empresa presta alguns serviços desse tipo, mas não em grande escala. Mesmo assim, o volume desse tipo de demanda ainda não fez com que a empresa a criasse um setor voltado para a logística reserva.
Se a JSL quisesse hoje ampliar suas operações com planos voltados para a reciclagem, a empresa levaria, no máximo, cinco anos para poder instalar completamente o novo sistema, afirmou a diretora. “A ideia é ter [no futuro] uma estrutura que possa atender à demanda do mercado.”
A respeito dos custos das operações sustentáveis, na opinião de Irecê, o setor produtivo possivelmente repassará aos consumidores o encarecimento. Ou seja, o produto final chegará com reajustes. Ela avalia que as mudanças resultarão em uma nova ordenação nas vendas de bens de consumo.

“O consumidor deverá levar o produto já sabendo o tempo de vida útil do que está sendo adquirido e em quanto tempo o artigo comprado retornará à empresa vendedora ou fabricante”, projetou Irecê.

Uma das dificuldades que o setor vem enfrentando é a desinformação em relação às diferenças de regulamentação entre as esferas governamentais.
Enquanto setores dialogam com o governo federal colocar em prática a política nacional de coleta e reciclagem de resíduos sólidos, o Ministério Público de alguns Estados e secretarias de meio ambiente estaduais e municipais têm intimado diversas empresas a apresentar seus planos de logística reversa.

“Em tudo o que é novo, há dúvidas sobre se na prática funcionará e como. O setor logístico vai passar por isso por algum tempo até entender melhor e fazer da maneira certa”, disse a diretora. “Você já vê no exterior o crescimento da logística reversa. No Brasil, se fala nisso há pouco tempo”, complementou.
(Guilherme Serodio e Diogo Martins | Valor)

FONTEhttp://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2011/09/13/empresas-acreditam-que-reciclagem-estimulara-logistica-reversa.jhtm

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: